Fazer diferente

Por: Rede OP

Alex Bonifácio autor do livro “Pense Grande” (Editora Belas Letras) defende que fazer parte do grupo de apenas 5% das pessoas conseguem aproveitar ao máximo o próprio potencial, tem pouca ou nenhuma relação com questões genéticas ou dons especiais. Para ele, ter sucesso usando todo seu potencial está ligado à maneira como você encara o mundo e age diante dos próprios conflitos e falhas.

Não aceitar o mundo como ele é
Para Bonifácio a premissa básica para “existir por inteiro e integrar o grupo descrito” é ser alguém inconformado. Alguém que mantém um olhar crítico sobre as situações e que não se adapta sem questionar. Isso não significa ser alguém mal humorado e que reclama de tudo, mas alguém que busca ver além do que lhe é apresentado, que não descarta outras possibilidades de escolha e de ação.

“Grandes mudanças surgem dos inquietos, daqueles exploradores que questionam o mundo e visualizam oportunidades onde muitos só enxergam problemas. O sociólogo italiano Domenico de Masi observa que, antes de 1687, tantas maçãs caíram na cabeça de várias pessoas, mas só Newton soube deduzir a teoria da gravidade, porque há anos atormentava-se com o problema”, afirma Bonifácio.

Encarar o conflito interno
Se incomodar não é o suficiente. “O que vemos nas pessoas de um modo geral é que elas são visitadas de vez em quando por estes sentimentos, mas preferem não lidar com eles”, disse em entrevista à EXAME.com. Para o autor, pessoas naturalmente inconformadas veem no incômodo um aliado, pois enxergam ali oportunidades para mudar o mundo em que vivem.

Não se focar nas recompensas
Bonifácio afirma que quem trabalha pensando apenas na recompensa tem um desempenho inferior em relação as pessoas que não tem esse mesmo foco, pois, segundo ele, essas últimas aprendem a lidar melhor com as frustrações e ficam com sua criatividade mais disponível para fazer isso. Pessoas que apresentam alto desempenho, segundo o autor, tendem a enxergar na escassez uma oportunidade para inovar.

Encarar o fracasso como um degrau para o sucesso
“Fomos criados para dar certo, não para dar errado”, afirma Bonifácio. As pessoas de alto desempenho, contudo, não sucumbem a esta visão. “Elas sabem que o fracasso é uma condição para chegar lá”, diz.

Aceitar as recompensas de longo prazo
É preciso entender que a excelência em alguma tarefa leva tempo, exige treino, experiência, paciência e persistência. O ditado “a pressa é inimiga da perfeição” se encaixa aqui. Para apresentar um bom desempenho é preciso envolvimento. Para o autor, um profissional que apresenta alto desempenho lida melhor com a questão do tempo. Ele entende a noção de processo e, por isso, tem a ansiedade diminuída e lida melhor com as pressões externas.

O sucesso tem outro sentido
Para o grupo dos 5%, como Bonifácio chama no livro, sucesso não é sinônimo de poder, status ou dinheiro. Antes, sucesso é “você conhecer o seu propósito na vida, atingir seu potencial máximo e levar esta semente para outras pessoas”, afirma o especialista.

Fonte: Exame.com
Adaptação Deise Navarro
2018-02-13T17:39:56+00:00