Dúvidas Escolha Profissional

Por: Deise Navarro

“No tempo dos nossos pais as coisas eram mais fáceis!”

Esta é uma reflexão que comumente passa pela cabeça dos jovens de hoje e, vale pontuar, é uma ideia que faz todo sentido.
Antigamente, a escolha profissional era uma opção para toda vida. Os filhos podiam repetir a escolha de seus pais ou optar por outro curso, universitário ou técnico, que fizesse parte de uma pequena lista de opções. O lema era: “Cada Macaco no seu Galho!”, era só descobrir em que “galho” se pendurar e pronto! O problema estava resolvido!
Porém, o avanço da tecnologia fez surgir uma nova ordem mundial, na medida em que deu vida ao processo de globalização que, por sua vez, permitiu que as inovações surgidas em cada canto do mundo se tornassem universais por meio da instantaneidade dos meios de comunicação.
Processo que inundou o mundo do trabalho, causando grande impacto sobre os negócios, os empregos e a profissionalização. Os reflexos dessas mudanças podem ser percebidos através do crescimento do consumo de bens e serviços e com ele a urgente necessidade de inovação de produtos, serviços e estratégias de gestão.
Isso significa não apenas dizer que as coisas mudaram muito e que as expectativas atuais estão profundamente ligadas a ter sucesso e ser hábil num contexto profissional altamente competitivo, mas também que aquela pequena lista de opções profissionais ficou enorme, já que as possibilidades do mundo do trabalho se ampliaram infinitamente junto com as possibilidades de “ser” em um mundo que parece não ter fronteiras.

Hoje, o trabalho é percebido como uma parte muito importante da vida e da identidade das pessoas, fator que intensifica o grau de auto-exigência ligado à escolha profissional.
Juntamente com as pressões que vêm de nós mesmos e do mundo do trabalho, existem outras, vindas de pais, professores, familiares e amigos. Conhecer os cursos, as faculdades, os cursinhos e, lógico, passar de ano, principalmente se você cursa o 3° do Ensino Médio, porque sem isso todo resto não fará sentido, são fatores que deixam os jovens estressados e com medo de um futuro, aparentemente, ameaçador.
Os questionamentos são inúmeros: Como escolher o que eu quero e não chatear meus pais? Eu posso mudar de ideia no meio do caminho? Só dá pra escolher uma profissão, mesmo quando gosto de várias? Tem como prever o futuro?
Bem, a má noticia é que não, não dá para prever o futuro. A boa, que é possível escolher apesar de tantas dúvidas e de tanto estresse. Você não está sozinho nessa! Todo mundo que tem planos profissionais passa por isso e sobrevive!
O segredo é pedir ajuda! Use sua rede de apoio: pais, amigos e professores e envolva-se numa investigação mais profunda sobre as coisas que você realmente gosta e se identifica – algum talento, facilidade ou interesse. Informação é a ferramenta mais importante nesse momento e a comunicação é o caminho para obtê-la.
Mas como ajuda nunca é demais, pesquisar em sites sobre profissões é um ótimo caminho para fazer da escolha profissional algo possível!
Outra opção que permite um maior aprofundamento da questão da escolha profissional é procurar um profissional especializado em Orientação Profissional, que tem acesso a ferramentas especiais que promovem o autoconhecimento, como testes e entrevistas, além de colaborar para a diminuição de níveis muito altos de ansiedade e proporcionar informações objetivas sobre as profissões por meio de um Projeto de Orientação Profissional.
Respire fundo e mãos à obra!

Deise Navarro é Psicóloga e Orientadora Profissional e de Carreira.

2018-04-17T14:34:10+00:00